Go to Top
feito por viajantes para quem ama viajar.

Em março/abril de 2013 fizemos nossa primeira viagem de moto para fora do país e o destino escolhido foi o Deserto do Atacama - um dos cenários mais cobiçados pelos motociclistas.

E não foi apenas uma viagem, e sim a nossa viagem de lua de mel, qual foi públicada na versão impressa da revista Duas Rodas, ed. de Dezembro de 2013.

Veja o texto na íntegra:

Lua de Mel no Atacama

 

A lua de mel, assim como o casamento, precisa ser um momento especial. Como todo bom casal de noivos, tivemos centenas de ideias de onde curtir o "nosso momento" e avaliamos os mais variados lugares.

 

Decididos que queríamos algo fora do comum, e como a motocicleta fez e faz parte da nossa história, optamos por uma Lua de Mel com uma pitada a mais de emoção: Sobre duas rodas.

 

Resolvemos então sair do Brasil e fazer o cone Sul, atravessando 4 países, parando em 21 cidades, conhecendo dezenas de pontos turísticos, tendo como destino principal o deserto mais árido do mundo - o Atacama.

 

Tivemos oportunidade de deitar nas curvas das serras da Graciosa e Rio do Rastro, rumo ao Sul até chegar no Chuí, a cidade mais meridional do Brasil, para então cruzar a fronteira do Uruguai e apreciar o pôr do Sol sob o rio da Plata em Colonia del Sacramento.

 

De lá, atravessamos a fronteira de balsa desembarcando em Buenos Aires, cortando toda a Argentina até a belíssima Mendoza, com seus tradicionais vinhedos e bodegas, uma das paradas mais bonitas de toda a viagem.

 

De Mendoza rumo a fronteira do Chile foi sem dúvidas o trajeto mais emocionante da viagem. Ultrapassar os 4000mts de altitude em uma estrada com o horizonte repleto de gigantes montanhas de cume branco, túneis rústicos de pedra sem acabamento, o gelo tomando conta da paisagem, cânions enormes e tempestades de areia fizeram parte desse cenário qual atravessamos de moto, nos sentindo pequenos, irrisórios perto de toda essa grandeza da natureza.

 

Já no Chile, cada vez mais desértica a paisagem, quilômetros e quilômetros de areia e pedra, uma visão melancólica com pequenos vilarejos de aparência abandonada que lembram cenas dos filmes Mad Max e Exterminador do Futuro.

 

Percorrendo cada vez mais ao norte, as pedras começam a abandonar o cenário até desaparecerem por completo, deixando o horizonte desenhado com ondas de areia cortadas pela estrada, um pequeno risco cinza no meio do nada.

 

Rodamos dias com essa imagem pela viseira do capacete, esta aliás, que normalmente fica cheia de mosquitinhos mortos, estava completamente limpa, devido a impressionante falta de vida do deserto.

 

E assim foi até chegarmos a San Pedro do Atacama, vilarejo exótico, um dos destinos mais cobiçados pelos motociclistas de viagem.

 

Iniciamos nossa volta pelo Paso de Jama, subindo muito próximo aos 5000mts de altitude onde até a moto sente o impacto e perde performance devido ao ar tão rarefeito.

 

Atravessando novamente para a Argentina, seguimos destino a tríplice fronteira com Paraguai e Brasil, dessa vez enchendo os olhos com uma paisagem totalmente oposta, as Cataratas do Iguaçu, de onde seguimos de volta para São Paulo rumo a nossa casa.

 

Ir de moto ao Atacama tudo é ao extremo, o deserto, a falta de vida, o frio, a altitude a paz de espírito e principalmente a emoção. Foram dez mil quilômetros de estrada, percorridos com uma motocicleta por um casal em 34 dias de lua de mel.

 

João Ricardo Wilde Neto